11.22.63: Viagem no Tempo Por Outra Perspectiva

11.22.63: Viagem no Tempo Por Outra Perspectiva

25954
Imagem via Hulu

11.22.63 é uma minissérie baseada no livro homônimo de Stephen King, que conta a história de Jake Epping (James Franco), um professor de ensino médio, recém-divorciado e sem filhos. Seu amigo Al, dono de uma lanchonete, repentinamente aparece muito doente, à beira da morte, e lhe revela um segredo inacreditável: um armário dentro da lanchonete é, na verdade, um portal de viagem no tempo, que volta sempre para o ano de 1960. Depois de comprovar isso com os próprios olhos, Jake é convencido a executar o plano que Al começou: impedir o assassinato do presidente John F. Kennedy, que aconteceu na data de 22 de Novembro de 1963.

Para nós brasileiros, talvez seja mais difícil entender o quão fascinante seria ter o poder de impedir o assassinato de John F. Kennedy. Mas acho que a minissérie consegue nos convencer de que é uma ideia tentadora para Jake, e que realmente existiria a possibilidade de corrigir alguns “erros” que aconteceram depois do assassinato. E também consegue nos fazer torcer para que Jake atinja seu objetivo.

O desenrolar da história é cheio de reviravoltas intrigantes, causadas por 2 elementos muito engenhosos da trama: O Passado, que não quer ser mudado, e tem mecanismos para tentar inibir Jake de causar alterações significativas; e o próprio Jake, que não consegue concentrar-se apenas em sua missão, e acaba embrenhado numa intricada teia de atos e consequências que ele mesmo teceu durante seu tempo no passado.

Não posso falar muito mais que isso, pois a graça da minissérie está em entender as premissas do enredo, no suspense sobre o que irá acontecer a cada capítulo, e nas expectativas que criamos ao longo da história. Só queria comentar que o final é muito interessante e surpreendente. E nos faz pensar sobre o passado, o presente e o futuro; sobre o efeito borboleta; e sobre como a vida é feita de erros e acertos, de alegrias e sofrimentos, e de bons e maus momentos.

Eu recomendo 11.22.63 para quem se interessa por histórias e teorias de viagem no tempo. E, por ser um suspense com romance, espionagem e conspiração, é provável que, quem gostou de The Night Manager, também goste desta minissérie. Mas, na verdade, não consigo me lembrar de nenhuma série ou filme que tenha o mesmo estilo de história e o mesmo estilo visual “retrô” e elegante desta minissérie.

Se você pudesse voltar no tempo, para que ano iria e o que mudaria? E se só pudesse ir para 1960? Eu acho que viajaria no tempo só para observar. E mesmo assim ficaria com medo de causar um sério efeito borboleta.

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho: Um Olhar Sensível Sobre A Adolescência

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho: Um Olhar Sensível Sobre A Adolescência

Quem ainda não assistiu este filme, agora tem a oportunidade de ver no Netflix. Ele é de 2014, e foi feito depois que o curta Eu Não Quero Voltar Sozinho fez sucesso no YouTube. E até foi escolhido como representante brasileiro ao prêmio Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, mas não chegou a entrar na lista final de concorrentes.

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho conta a história de Léo, um típico adolescente, que vai à escola, onde tem amigos, mas também sofre bullying; que pensa em como será seu primeiro beijo, e tem sonhos para o futuro; que briga com os pais super-protetores; e que vivencia os prazeres e as dores da adolescência. Quem não se identifica? E isso é o melhor do filme: a história de Léo é universal. Mesmo ele sendo cego, e mesmo seu primeiro amor sendo uma relação homossexual.

hojeposter
Imagem via Dammit

E essa universalidade só é possível porque o filme é muito sensível, natural e despretensioso. Os personagens e os diálogos são autênticos. A narrativa e as atuações são sinceras e carismáticas. E o filme evita o sensacionalismo, porque o foco não é a cegueira, não é a homossexualidade, e não é o bullying. É claro que esses temas tornam o enredo mais interessante, pois são muito relevantes, e criam situações atrativas do ponto de vista dramático . Mas o foco principal é a adolescência: essa fase complicada da vida, cheia de dúvidas, desejos, decepções e descobertas.

Nós nos identificamos com as conversas triviais, as fofocas de escola, os ciúmes, os momentos constrangedores, o medo da rejeição, as brigas com os amigos e com os pais, os colegas chatos e inconvenientes, a vontade de ser mais independente, de ter mais liberdade, e as novas sensações emocionais e sexuais que sentimos quando nos apaixonamos por alguém.

E agora que eu já falei sobre suas qualidades, eu gostaria de exprimir uma opinião pessoal sobre a importância que este filme (e outros como ele) podem ter na formação de indivíduos, e de uma cultura, mais tolerantes. Porque este filme torna evidente aquilo que todos já deveríamos saber: Somos todos seres humanos. Não importa nossa orientação sexual, nossa identidade de gênero, nossas deficiências físicas ou mentais, nossa cor de pele ou etnia. Não importa se somos bonitos ou feios, gordos ou magros, pobres ou ricos, populares ou solitários. Todos temos sentimentos, todos sofremos, todos temos dúvidas e medos. Todos merecemos respeito, todos queremos nos relacionar, todos queremos amar e ser amados. E deveríamos sempre nos lembrar disso antes de julgar outras pessoas.

Eu recomendo este filme para quem gosta de histórias sensíveis sobre adolescência e juventude, como Sociedade dos Poetas Mortos (1989), Billy Elliot (2000), Juno (2007), Tomboy (2011), e As Vantagens de Ser Invisível (2012).

Você também se identifica quando lembra das alegrias e tristezas da sua adolescência? Que tipo de adolescente você foi? Eu fui eclética até na minha adolescência: tive meus momentos de rebeldia e raiva do mundo, mas no final acabei decidindo deixar a confusão interna de lado, e me dedicar aos estudos. De certa forma, acho que isso colaborou para que coisas boas surgissem na minha vida. Me interessar mais por filmes e séries, e procurar sempre extrair aprendizado deles, foi uma dessas coisas. E que, ainda hoje, me ajuda a lidar com os problemas da vida.

Colonia: Drama, Romance, Suspense e Aventura

Colonia: Drama, Romance, Suspense e Aventura

MV5BODc0MzYwNDMwNl5BMl5BanBnXkFtZTgwODk1MjQ4NzE@._V1__SX640_SY720_
Imagem via IMDB

Este filme é uma mistura de gêneros. Baseada em fatos reais, a história começa como um drama histórico e uma história de amor, que se passa no Chile, em 1973, onde Lena e Daniel são capturados durante a instauração da ditadura do General Pinochet. Daniel é levado para uma instituição de fachada, chamada Colonia Dignidad, onde é torturado e mantido como prisioneiro. Lena logo percebe que nem seus amigos militantes, nem seus compatriotas alemães, estão dispostos a ajudá-la a salvar Daniel. Sendo assim, ela só consegue pensar em um jeito de reencontrar seu grande amor: voluntariamente entrando para o culto que funciona dentro da Colonia. À parti daí, o filme torna-se um suspense: Lena é aceita pelo líder do culto, e tem que seguir as regras criadas por esse falso messias astuto, misógino e pervertido, que faz lavagem cerebral e usa seus devotos como escravos. Quando finalmente encontra Daniel, o suspense vira também uma aventura sobre a arriscada fuga do casal.

Eu diria que Colonia é uma combinação de sucesso. A história de amor é comovente: as atuações de Emma Watson e Daniel Brühl nos convencem de que o romance entre Lena e Daniel é intenso e verdadeiro. O pano de fundo histórico é interessante e perturbador: tanto os retratos da ditadura militar, quanto os do culto religioso, são surpreendentes. O suspense é intrigante e bem construído: os sofrimentos e os perigos por que Lena e Daniel passam são de fazer o coração parar e disparar. E a aventura é empolgante: nós torcemos o tempo todo pelo casal.

E tudo isso faz o filme valer a pena. E a pena é o final, que simplesmente não se encaixa no resto da história. É um final que tenta ser verossímil, mas não consegue ser nem um pouco realista dentro das premissas do filme. Foi obviamente feito para agradar os espectadores acostumados com produções hollywoodianas. E por isso mesmo, destoa de todo o resto, e o pior: enfraquece a significância de tudo o que vimos antes disso.

Mas eu repito: vale a pena. Não é perfeito, mas é um ótimo filme.

Eu recomendo este filme para quem gostou de Argo (2012),que de certa forma parece ter sido usado como referência. E para quem gosta de outros filmes que misturam drama, romance, suspense e ação ou aventura, mas em proporções diferentes, como por exemplo: O Labirinto do Fauno (2006), O Preço do Amanhã (2011), a saga Planeta dos Macacos, e a saga Jogos Vorazes.

Você gosta dessas misturas? Ou prefere filmes mais específicos? E você também acha que, mesmo quando um filme decepciona no final, ele pode continuar valendo a pena?

The Night Manager: A Ocasião Faz O Espião

The Night Manager: A Ocasião Faz O Espião

the-night-manager-2016-V07o
Imagem via WPaperHD

The Night Manager é uma adaptação do livro homônimo de John Le Carré, escritor famoso por seus romances de espionagem. Sendo que alguns deles já foram adaptados para o cinema, como O Espião Que Veio Do Frio (1965), O Jardineiro Fiel (2005), O Espião Que Sabia Demais (2011) e O Homem Mais Procurado (2014).

A história desta minissérie começa com Jonathan Pine (Tom Hiddleston) trabalhando como gerente do turno da noite em um luxuoso hotel de Cairo, no Egito. Após ser abordado por uma hóspede, Jonathan acaba envolvido em uma perigosa trama, que não acaba nada bem. Quatro anos depois, Jonathan aparece novamente como gerente do turno da noite de um hotel de luxo; mas agora nas remotas e geladas montanhas da Suíça. E lá seu caminho cruza diretamente com o algoz da sua tragédia do passado: Richard Roper (Hugh Laurie), um bilionário empresário britânico, famoso por projetos humanitários, mas que na verdade é um mercenário contrabandista de armas de guerra. Impulsionado pelo desejo de vingança e justiça, Jonathan consegue aproximar-se de Roper, e tem início um emocionante jogo de espionagem, repleto de corrupção, traição e reviravoltas.

Sem dar spoilers, acho que posso comentar que é impossível assistir “The Night Manager” e não lembrar de James Bond. Tem o mocinho carismático e misterioso, espionagem internacional, um vilão inescrupuloso, diálogos afiados, romance, suspense, violência, sexo… Por outro lado, não tem invenções e traquitanas mirabolantes, e as pontuais lutas e explosões são menos espalhafatosas do que estamos acostumados a ver nos filmes. Mas nada disso faz falta, pelo contrário: o resultado final é uma história mais realista, mas ainda assim intrigante e envolvente; contada em um ritmo bem construído, tirando total proveito do seu formato de minissérie.

Para mim, a maior qualidade de The Night Manager é conseguir ser uma série empolgante, com acontecimentos que te deixam cada vez mais interessado no desenrolar da história, e também ser uma série com assuntos relevantes, como relações internacionais e contrabando de armas de guerra, tratados de maneira interessante e realista. Tanto, que chega a ser desolador constatar que o mundo está repleto de pessoas presunçosas, desonestas, gananciosas e covardes.

Além dos fãs de James Bond, Jason Bourne, e outros espiões famosos, eu recomendo The Night Manager para quem gosta de histórias cheias de suspense, com personagens inteligentes e reviravoltas interessantes, como por exemplo 24 Horas, The Americans e Homeland.

Quem mais adora histórias de espionagem? Difícil resistir às tramas elaboradas, ao suspense cuidadosamente construído, e às reviravoltas emocionantes. Acredito que este é um tema que sempre encontrou e sempre encontrará novas formas de ser explorado.

Meus Favoritos: Ninguém Pode Saber

Meus Favoritos: Ninguém Pode Saber

Feliz Dia das Mães para todas as mães!

Eu quis fazer um post especial para esta data, e o primeiro filme que me veio à cabeça foi este, apesar de ser um pouco antigo, de 2004. Ele conta a história de 4 crianças encantadoras, que mereciam ter uma mãe melhor. E, para mim, a mensagem final dele é nos fazer refletir sobre a séria responsabilidade que é ser mãe (ou pai).

Eu assisti este filme 3 vezes no cinema. (Há mais de 11 anos atrás, quando um ingresso de cinema não custava o olho da cara, e eu ainda tinha direito a meia-entrada. Bons tempos aqueles…) Para mim, tudo nele é meio hipnotizante: a direção de fotografia, os enquadramento, os movimentos de câmera, a trilha sonora, a atuação das crianças… Eu sinto como se estivesse ouvindo alguém me contar uma história na hora de dormir. Uma história triste, mas que também tem momentos muito bonitos, de aquecer o coração. E é por isso que é um dos meus filmes favoritos.

Nobody-Knows
Imagem via East Asia

Ninguém Pode Saber é um filme japonês, baseado em fatos reais, sobre Akira, um garoto de 12 anos, e seus 3 meio-irmãos: Kyoko, uma garota de 10 anos, Shigeru, um menino de 7, e Yuki, uma menininha de 4. No início, eles aparecem com sua mãe, Keiko, em um pequeno apartamento alugado, onde ninguém pode saber que moram tantas crianças. O cotidiano delas é estranho: não vão à escola e têm que se virar com a comida, as roupas, e todo o resto. A mãe desaparece por um mês e depois volta como se nada tivesse acontecido, só para pegar suas coisas e ir embora novamente. E Akira faz o que pode para cuidar sozinho de seus irmãos.

É triste, angustiante e desesperador acompanhar as vidas dessas crianças, que não são vítimas de violência, mas são vítimas de abandono físico e emocional. Sua mãe lhes dá abrigo e dinheiro, mesmo que pouco. Mas ela realmente não percebe que isto não é o suficiente. Que crianças precisam de estrutura, de segurança, de disciplina, de educação, de bons exemplos. Pelo menos essas crianças têm o amor e a companhia umas das outras. Mas, a falta de um adulto responsável por perto sela um destino cruel para elas.

O que destaca este filme de tantos outros sobre famílias, é que ele consegue emocionar pela sensibilidade e não pelo sentimentalismo. Os acontecimentos são mostrados quase como em um documentário, sem uma óbvia estrutura dramática, com uma trilha sonora comedida (não manipulativa), com personagens comuns simplesmente vivendo suas vidas normais. E isto torna a história ainda mais real e pungente.

O mesmo diretor, Hirokazu Koreeda, fez outros bons filmes, como Pais e Filhos (2013) e Nossa Irmã Mais Nova (2015). E também recomendo este filme para quem gosta de dramas realistas e sensíveis sobre famílias, como O Quarto de Jack (2015), Boyhood (2014) e Para Sempre Alice (2014).

The Lobster: Quem Inventou O Amor?

The Lobster: Quem Inventou O Amor?

the-lobster-a-review-of-relationships-910392
Imagem via Movie Pilot

Dizer que este filme é uma ficção chega a ser um eufemismo. Haja imaginação para criar algo tão maluco assim. E o mais admirável, é o tanto de verdade, nua e crua, que há dentro dele.

A história de The Lobster acontece em um futuro distópico, onde nós acompanhamos David (Colin Farrell), um homem de meia-idade cuja esposa o trocou por outro. Agora que está solteiro, ele é forçado a ir para O Hotel, assim como todas as outras pessoas solteiras, onde deve achar sua nova alma-gêmea em até 45 dias. Após este prazo, se continuarem solteiras, as pessoas são transformadas em um animal de sua escolha.

Louco, né? E você ainda não viu nada. Sem dar spoilers, posso dizer que, partindo desta premissa bizarra, são apresentados personagens ainda mais bizarros, que são submetidos a mais regras super bizarras, e que levam a um desenrolar da história exponencialmente mais e mais bizarro.

Bizarrice demais? Talvez. Para apreciar este filme, esteja aberto a entrar num universo paralelo, e a aceitar todas as bizarrices como plausíveis dentro deste universo: a sociedade, as regras, as pessoas, as motivações, as ações, etc.

Eu aceitei embarcar nessa história, e achei o filme extraordinariamente interessante, do ponto de vista metafórico e também auto-analítico. Tanto que estou aqui, indicando para todo mundo, e pensando até agora em tudo o que o filme coloca em discussão:

O que é o Amor? É um sentimento, uma convenção social, uma escolha? Nós sabemos que o conceito de Amor mudou muito nos últimos séculos. Qual o papel do Amor na sociedade atual? Por que estamos sempre à procura do Amor? É possível viver sem Amor?

Como funciona o Amor? Tem que ser recíproco? O que é imprescindível para que haja Amor? Interesses em comum, atração sexual, honestidade, comprometimento? Por que sofremos por Amor? Quais são os limites do Amor?

Sim, todas essas perguntas e reflexões, entre outras, estão no filme. Mas as respostas estão em aberto, e dependem de cada um de nós.

Eu recomendo este filme para quem gosta de filmes fora do convencional, estranhos, sarcásticos e irônicos, que fazem refletir sobre nossa própria realidade; como por exemplo: Quero Ser John Malkovich (1999), Almas À Venda (2009), Cisne Negro (2010), A Pele Que Habito (2011), Her (2013), e Ex Machina (2015).

Billions (1a Temporada): Quem é o mocinho e quem é o vilão?

Billions (1a Temporada): Quem é o mocinho e quem é o vilão?

Já vou começar dizendo que o grande trunfo da 1a temporada de Billions é justamente não dar uma resposta para a pergunta acima.

431_768x308
Imagem via The Movie Network

Bobby Axelrod (Damian Lewis) é um bilionário, dono de uma empresa que gerencia fundos de investimentos. E Chuck Rhoades (Paul Giamatti) é um promotor público, conhecido por investigar, e colocar na cadeia, executivos e empresários corruptos. Sem dar spoilers, posso dizer que, quando Chuck Rhoades decide que seu próximo alvo será Bobby Axelrod, arma-se uma verdadeira guerra de poderes, com estratagemas moralmente questionáveis, e ações/reações, escolhas/consequências, bem dramáticas.

Os dois protagonistas têm qualidades e defeitos, cada um com suas próprias ideias de certo e errado, e por isso mostram-se controversos: heróis e vilões, dependendo da situação e da perspectiva. E o espectador, acompanhando os 2 lados dessa história, acaba torcendo ora por um, ora pelo outro, capturado em um emocionante dilema.

Outro atributo da série é retratar, de maneira bastante intrigante, o mundo do mercado de ações. Eu não entendo nada do assunto, como a maioria das pessoas, eu presumo. Por isso, achei a série bem acessível e fascinante para leigos como eu. E ao mesmo tempo que trata de assuntos sérios, que me fazem pensar na minha própria realidade, meus valores e “O que eu faria?”; a série também tem muitos momentos divertidos, de ironia e reviravoltas.

Eu recomendo esta série para quem gosta do Damian Lewis e/ou do Paul Giamatti, porque os dois estão excelentes. Para quem gostou dos filmes O Lobo de Wall Street (2013) e A Grande Aposta (2015). E para quem gosta de dramas com grandes rivalidades, reviravoltas, e sem maniqueísmo.

Quem já assistiu Billions? Gostaram ou não? Você é #TeamAxe ou #TeamChuck? Eu torço para os dois continuarem o duelo!